terça-feira, 17 de abril de 2007

Civismo

Esta manhã, uma senhora sentada ao meu lado, na paragem do autocarro, deu um valente espirro. A respectiva secreção atravessou livremente os poucos centímetros que nos separavam e aterrou, a pingar, no meu nariz e olheiras.

Não consegui dizer nada - esperei que o embaraço a levasse a pedir, pelo menos, desculpa. Nada: limitou-se a tirar um lencinho de papel da carteira, a limpar sem grande convicção o nariz e a olhar em frente, como se nada de estranho se tivesse acabado de passar.

Se morrer nos próximos dias já sei do que foi.

7 comentários:

Suz disse...

Lamento informar-te amiga mas.. és a Melher Invisível!!
:D

NC disse...

Pedias-lhe um lencinho de papel e começavas-te a limpar também. Mesmo assim não sei se resultaria :P

bicho_de_conta disse...

Susaninha, deves ter razão :D

Ainda hoje na feira do livro de algés vi um livro sobre o significado dos nomes... o meu significava "aquela que muito dá e pouco recebe" :s

NC, acho que a mulher era um caso perdido, mesmo :D

menina-alice disse...

Acho que dificilmente resistiria ao cold blood murder numa situação dessas. E ainda processava os herdeiros por danos morais (se outros não detectasse).

bicho_de_conta disse...

É o que dá ser uma mulher da lei - e de armas! :D

menina-alice disse...

É que eu arrepiei-me toda a ler-te. Pus-me no teu lugar e imaginei o pior.

joao disse...

bem, que horror

Tempos idos

FEEDJIT Live Traffic Feed