segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Sonhos

Os últimos dias têm sido pouco dados à postagem graças a uma gripe vinda directamente do quinto dos infernos para me atazanar o fim-de-semana prolongado. Parece-me no entanto importante aqui apresentar um breve resumo dos sonhos que tenho tido - muitos deles com a raiz, ou a inspiração, bem à vista.

Por ordem de ocorrência:

1. A Ana Moura - sim, nada mais nada menos que a Ana Moura - decide convidar-me para acompanhá-la em palco. Eu tento disfarçar mas estou, como dizer, em pânico. Não sei cantar, muito menos Fado, e muito menos Fado com letras em Francês. A dificuldade da tarefa avoluma-se mas ela faz questão que eu aceite. Felizmente acordo.

2. Estou a compilar a lista dos melhores discos portugueses do ano e há um dos colaboradores da revista que se lembra de votar num disco do qual nunca ninguém ouvira falar. Vá-se lá a saber como, o registo entra disparado para a liderança do top deste ano. Acho mau princípio que a votação seja ganha por um disco obscuro, votado por apenas uma pessoa, e penso em formas de, erm, resolver a questão. O disco era da autoria do Marcelo Rebelo de Sousa.

(estes dois sonhos terão decorrido do facto de eu andar, realmente, a tratar da hercúlea tarefa de eleger os melhores discos do ano da graça de 2007, para a revista na qual trabalho)

3. Ainda traumatizada por ter sido apanhada, há pouco tempo, por um revisor que me informou que o meu milionário passe não dá para ir até Oeiras, situação que honestamente desconhecia, sonhei estar a bordo de um comboio que não parava. Tal como naqueles sonhos com elevadores que disparam rumo aos céus (há quem sonhe com eles a cair, eu sonho com eles a levantar voo), a composição avançava sem parar nas estações. Estaremos já em Oeiras?, perguntava-me eu, um tanto ou quanto aflita. Quando o comboio finalmente parou, olhei para a placa da estação. Estávamos nos Açores.

4. Passei a noite de Quarta para Quinta com alguma febre e vários delírios - ou um só delírio, que crescia e ganhava novos contornos de cada vez que fechava os olhos, tentando dormir. Os Radiohead dominavam o mundo, basicamente. Por todo o lado onde fosse, lá estava a rapaziada de Oxford à minha espera, em pessoa, cartaz ou música (um dos dois primeiros temas do "In Rainbows" eram a banda-sonora da distopia). Acho que (e não é que o meu subconsciente tem a mania que é engraçadinho!) os Radiohead, sempre tão críticos face aos malefícios do capitalismo, se tinham tornado eles próprios uma gigantesca corporação multinacional que controlava os passos de toda a gente - ou pelo menos os meus, o que já era suficientemente aborrecido.

3 comentários:

Suz disse...

Gosto do 3.
Já tive uns sonhos parecidos, e sim, os meus elevadores passavam o 5º andar onde moro e eu ficava muito aflita, porque não sabia onde ia parar, mas nunca saiam disparados para o céu, subiam por túneis fechados onde não via portas.. brrr

Acho que contribuiu o facto de ter ficado presa algumas vezes em miúda, enfim..

dolphin.s disse...

:DDDDDDDDDDD

tu perdoa a falta de sensibilidade, mas já fui às lágrimas com os teus terrores nocturnos - se bem que do último tenho inveja :P

espero que estejas a escrever um diário de sonhos - uma imaginação independente dessa maneira, vai vender bem :D

alex disse...

olha, pensava que era só eu que sonhava com elevadores a levantar vôo.
um disco do marcelo rebelo de sousa, não é um sonho, é um pesadelo.

Tempos idos

FEEDJIT Live Traffic Feed