segunda-feira, 12 de maio de 2008

Ainda estou lá

É um pau de dois bicos, a recorrente questão da eterna juventude e fenómenos associados. Se por um lado quem leva a vida com um sorriso de invariável despreocupação angaria, obrigatoriamente, algumas invejas, por outro arrisca-se a ser rotulado de imaturo, inconsequente ou simplesmente tolinho.

Mas não há como negar que uma boa dose de inconsequência ou até proto-demência, muito de vez em quando, é um poderoso anti-rugas mesclado de anti-depressivo e suplemento vitamínico. Só assim, com este palavreado médico todo, se consegue explicar que, depois de dormir três horas e pico e de estar a puxar pela cabeça até às quatro da matina, esta manhã me sentisse tão enérgica. Acho que até sonhei com o Chico Buarque.

Agora é tarde para negar - agora que a minha pobre figurinha ficou imortalizada em pelo menos um vídeo do YouTube e umas quantas fotografias inesperadas. Agora que berrei o Abel de braço dado com a Sandra, que assisti à muito profissional preocupação da Menina Alice com a jornada laboral que se avizinhava, que abracei um amigo que fez das tripas coração para chegar ao epicentro a tempo, que partilhei ansiedades de índole diversa com a mana e a vi, luminosíssima, a cantar uma das melhores letras de sempre horas depois, o sorriso a encher a sala toda. Agora que fiquei amuada por me desencontrar do mano e triste por, no meio da minha euforia, me encontrar com a sua desorientação; que interrompi conversas civilizadas para partilhar, aos berros, entusiasmos sem palavras; que rejubilei com os pareceres persuadidos de gente entendida e racional; que quis ligar a meio mundo com quem ainda não partilhei toda esta vida, a dar a boa nova.

É tarde para negar toda a devoção que por aqui corre, pulsante, tarde para dissociar letras de amigos, amigos de canções, canções de desejos, desejos de recordações. A Ali pensava que era «full of spiders» e eu «come on let me call you love» e o mano enxuga os olhos, que eu bem vi, com as mesmas mãos com que praticamente esganará os rapazes por fazerem ouvidos moucos ao «I'm getting nervous» que entoa há nove meses, prenho de esperança. Eu sonhei que via um papagaio azul no meio da rua e pensava nos «blue birds» de tantas letras, o rapaz que impediu que o Matt caísse nas doutorais tinha uma t-shirt igual à minha, engomadinha e tudo, o padrinho JG ficou de papo cheio, em Domingo de outras emoções. Dia de aniversário, manhã de funeral, conquistas e despedidas, a vida toda a fazer um sprint em 24 horas.

O que faz uma banda especial? Ter gente dentro. E nesta, por muito que tentasse, eu já não conseguia pôr mais ninguém. Toda eu vivo lá.

8 comentários:

leonor disse...

Não veio lágrima no concerto (porque a acumulação de adrenalina nunca mo permite) veio agora...
Mana. :) Ainda tenho o peito cheio. E ainda não tenho saudades. O que é bom. :)
Senti cá um destes orgulhos por ver-te em pé, tão contente, lá à frente.
Um beijinho para ti.

dolphin.s disse...

possa Lia, uma pessoa assim não recupera! :DDD

Anne Martens disse...

Break my arms around the one I love :)
Só acho mal eles não terem ligado pra fazermos de cicerones.

Ihihih

beijos, gammita :)

Suz disse...

É uma das coisas que mais gosto em ti amiguinha: a tua entrega sem complexos ou calculismos de qualquer espécia a tudo aquilo que gostas de viver e fazer.

Por isso estás onde estás, e és o meu orgulho de tudo o que passou pela so called choça!

Bjinhos **

alicinha disse...

Eu li este texto ontem à noite e arrepiei-me toda e nem consegui comentar. Hoje, vinha cá dizer uma coisa parecida com a que a suz disse muito melhor.

Bom também foi ver o concerto ao pé de vocês as duas. A Leonor também é que tinha sido.

***

dolphin.s disse...

oh Lia, aka Read Pear tree
tens que ver este link que apareceu nos meus referrals!! :DDDDD

alguém andou a ler as tuas Great Lessons, Miss Read Pear tree muahahahah

http://66.196.80.202/babelfish/translate_url_content?.intl=us&lp=pt_en&trurl=http%3a%2f%2fwhormhole.wordpress.com%2f2008%2f05%2f12%2fthe-national-na-aula-magna%2f

lisabel disse...

Não posso crer :D

Que galhofa... Read Pear Tree é oficialmente o meu novo nome de guerra! Bem índio, ao género de Panda Bear... ah ah ah.

dolphin.s disse...

uma bela sessão de leitura, ontem à noite :DDDDD

Tempos idos

FEEDJIT Live Traffic Feed